Categorias
Dicas

Efeitos da pandemia na saúde mental: como manter o foco no estudo e garantir o equilíbrio emocional

Um dos maiores desafios trazidos pela quarentena é manter a qualidade da saúde mental e física, já que agora todas as atividades que antes eram feitas em diversos locais precisam ser desenvolvidas dentro de casa. Fora isso, a própria situação de alerta imposta pela Covid-19 também afeta o equilíbrio emocional de muita gente.

Além de programar sua rotina dentro desses limites e de adaptar algumas atividades, a coordenadora de RH da Universidade Positivo, Mariana Zanon, listou outras dicas que vão te ajudar a manter a mente focada no trabalho e a cuidar de sua saúde mental. Confira:

Arrume um local específico de sua casa para ser seu espaço de estudo. Tal medida ajuda sua mente a entender que ali é o lugar de manter o foco e se dedicar;

Desfocar a mente de tempos em tempos também ajuda muito para que você consiga manter o foco no estudo e é fundamental para equilibrar a pressão. Ficou estressado ou não está conseguindo evoluir? Dê uma pausa, faça um chá, molhe as plantas etc.;

Manter o relacionamento com as pessoas é importante e faz muito bem! Ajuda você a estudar mais animado, além de elevar os níveis dos hormônios da felicidade. Para isso, marque, pelo menos umas duas vezes por semana, um café virtual com um colega (que pode ser da faculdade ou não). Aproveite e faça contato com aquelas pessoas que você gosta e faz tempo que não fala;

Respiração é fundamental. Nós não damos a devida importância para isso, mas permita-se experimentar. Respire mais profundamente, faça uma meditação. Isso ajuda a lidar com o medo e a ansiedade e melhora as crises, descontroles ou situações que estão te angustiando;

Todo mundo está passando por algum tipo de apuro, seja com os filhos, com os vizinhos que falam alto o dia inteiro ou com uma obra que começou perto de casa. Por isso, não se cobre tanto. Tente entender que é um momento difícil e que tudo isso vai passar. Você não está sozinho nessa;

Experimente coisas novas! Que tal começar aquele hobby que sempre gostou? Além de fazer muito bem para sua autoestima, ocupar seu tempo com coisas produtivas é uma excelente terapia e só trará benefícios para sua saúde mental.

Nunca tínhamos passado por nada parecido antes. Por isso, é importante que você observe seu comportamento e suas atitudes. Qualquer alteração que chame a atenção não deve ser desconsiderada.

Fale com alguém, se abra com as pessoas que você confia e peça ajuda. Vamos todos juntos superar essa situação!

Leia também: Quarentena: por que você deveria começar sua faculdade agora?

Categorias
#UPfazendoacontecer

Quarentena: por que você deveria começar sua faculdade agora?

Estamos vivendo o impensado. Com a chegada do novo coronavírus ao país e com o início da quarentena, muitas coisas precisaram ser repensadas, como o formato de atendimento nos hospitais, os serviços dos restaurantes e o modelo de educação em escolas e universidades. Mas sabe o que não mudou? A importância dos profissionais capacitados para o mercado de trabalho (e isso nunca irá mudar).

Independentemente do momento, estudar sempre será uma boa alternativa para quem não quer parar no tempo e criar diferenciais. Porém, a grande questão dos últimos dias é se vale a pena começar um uma faculdade em meio a tanto caos. E eu te digo: vale, e muito!

Conheça agora 4 motivos pelos quais você deveria começar um Graduação, mesmo durante a pandemia!

Motivo 1: um curso de nível superior abre muitas portas

via GIPHY

Embora o mercado como um todo esteja passando por um período de recessão, basta entrar no LinkedIn para ver que as coisas não pararam por completo, porque vira e mexe passam pelo feed anúncios de recrutadores e empresas. E sabe o que eles estão procurando? Os melhores profissionais das áreas X, Y e Z para compor seu quadro de colaboradores.

Eles estão atrás de pessoas antenadas e com a bagagem técnica (e comportamental) ideal para superar qualquer crise. Então, por que não se preparar para ser essa pessoa? Aproveite a quarentena para investir em conhecimento!

Motivo 2: com uma Graduação, você tem mais chances de impressionar

via GIPHY

A pandemia está aí e a crise também, mas uma coisa é certa: aqueles que não se sentem abalados com as imprevisões e seguem aprendendo sairão na frente no momento de retomada do mercado.

Na Universidade Positivo, por exemplo, existem inúmeros cursos da Educação à Distância que podem ser realizados de onde você estiver. Ou seja, o isolamento não é uma desculpa para ficar parado.

Motivo 3: em isolamento, você desenvolve ainda mais suas soft skills

via GIPHY

Como a quarentena exige uma série de adaptações, principalmente no que diz respeito à rotina, fica bem mais fácil para aprender (mesmo que seja na marra) sobre produtividade, automotivação, foco e organização.

Ok, neste momento, seus dias não está assim tão “badalados”, mas provavelmente você organiza, nem que seja mentalmente, tudo o que precisa ser realizado dentro de um determinado prazo. Não é mesmo? Por exemplo:

  • Das 7h às 7h30: tomar banho;
  • Das 7h30 às 8h: tomar café;
  • Das 8h às 12: participar da aula on-line;
  • Das 12h às 13h: almoçar;
  • E assim vai, até umas 21h…

E para que nada disso passe batido e tudo seja corretamente executado, você colocou em prática suas habilidades, justamente aquelas que são as queridinhas do mercado de trabalho e extremamente procuradas nos profissionais durante as entrevistas de emprego.

Motivo 4: estudar ajuda a manter o cérebro em funcionamento

via GIPHY

Seu cérebro não pode parar, e a melhor forma de mantê-lo saudável é utilizando-o. Segundo uma pesquisa publicada na revista especializada Neurology, os indivíduos que dedicam parte de sua vida para a aquisição de novos aprendizados, quando acometidos por doenças neurodegenerativas, costumam ter sintomas menos severos. Interessante, não?

E aí, depois de conhecer 4 bons motivos, o que você acha de começar a procurar o curso de seus sonhos? Se você ainda está na dúvida sobre esse início, faça o quiz abaixo e tire a prova real. Será que é hora de entrar na universidade?

Categorias
#UPfazendoacontecer

Como o curso de Psicologia pode auxiliar no combate à violência doméstica?

O impacto do isolamento social provocado pelo novo Covid-19 tem afetado a rotina de muitos brasileiros. A quarentena nos obrigou a adotar um novo estilo de vida e fez com que diferentes modelos de negócios e iniciativas sociais surgissem, estas com o intuito de resolver problemas que se acentuaram nos últimos dias.

Dentre os impactos sociais, os casos de violência doméstica estão entre os que mais têm exigido atenção e cuidado. De acordo com a Polícia Militar, no primeiro final de semana de isolamento, Curitiba registrou um aumento de 15% dos casos oficiais – ou seja, que foram denunciados.

Diante desse cenário, surgiu o Projeto Vidora, uma iniciativa dos alunos e ex-alunos do curso de Psicologia da Universidade Positivo. Ele oferece apoio psicológico às mulheres vítimas da violência doméstica.

No projeto, são realizadas diferentes ações de interação on-line, por meio das redes sociais, visando informar a população e disseminar orientações para combate e prevenção desses abusos.

O projeto vem realizando publicações semanais de vídeos e textos, com base em questionamentos levantados pela comunidade, dentro das próprias redes sociais. Os alunos também estão encaminhando alguns casos aos psicólogos parceiros da ação.

Para saber mais acesse o Facebook ou o Instagram do projeto!

Leia também: Experimente ser feliz, mesmo nos momentos mais difíceis

Categorias
Quem tá junto

Descubra: o que não precisa aparecer em seu currículo

É fácil encontrar pela internet diferentes ideias e modelos criativos que auxiliam na construção de um currículo. Pode até parecer simples, mas você sabe, realmente, o que é considerado no momento do processo seletivo? Eu vou te contar…

“Curriculum Vitae”

Quem nunca começou um currículo utilizando esse título, não é mesmo? Pois é! Hoje em dia, o uso desse termo já está bem ultrapassado e, definitivamente, não é necessário inclui-lo ao currículo. Afinal, a primeira coisa que deve ser vista é seu nome completo, sem abreviações.

via GIPHY

Número de documentos

Além da prática não ser recomendada, ela também não é nem um pouco segura. Inserir o número de seus documentos não é necessário – pelo menos, não no início do processo seletivo. Informações pessoais como essas serão solicitadas no momento da contratação.

Obs.: lembre-se que o currículo é um documento que todos podem ter acesso. Cuide de suas informações!

via GIPHY

Foto ou pretensão salarial

Isso já é algo que depende muito do tipo de vaga para a qual você está se candidatando, portanto vale a pena ler toda a descrição da vaga e descobrir se isso está sendo solicitado, caso contrário, não inclua.

Ah, o mesmo também vale para as referências profissionais. Elas não aparecem diretamente no currículo, mas em uma folha a parte.

via GIPHY

Assinatura

O currículo até pode ser um documento, mas o ideal não assiná-lo. Deixe isso para o futuro, caso o contrato seja fechado.

via GIPHY

Soft skills 

Alguns até se divertem enquanto descrevem algumas de suas soft skills, mas aconselho você a guardar o melhor para o final. Deixe para apresentar suas principais características na hora da entrevista, para utilizar exemplos. Assim, é muito mais fácil para o recrutador avaliar se seu perfil condiz com o que a empresa busca.

via GIPHY

Categorias
#UPfazendoacontecer

Quer ser professor? Fique por dentro dos novos formatos de educar!

Com a chegada do novo coronavírus ao país, muita coisa se transformou. Diversos estabelecimentos comerciais, por exemplo, reinventaram seus serviços e suas entregas, para continuar vivos no pós-pandemia. Com a instituições de ensino, a situação não foi diferente: hoje, os formatos de educar são outros.

Desde o fechamento das escolas, colégios e universidades, por conta das recomendações feitas pelo Ministério da Saúde, inúmeros estudantes se depararam com um grande desafio, o de aprender a estudar de uma forma completamente diferente.

Tudo mudou, principalmente para os professores, que tiveram que rever seus métodos de ensino, para continuar promovendo o conhecimento. O quadro negro, que antes era tão utilizado, foi deixado de lado. E sabe quem está ocupando o lugar desse instrumento de trabalho? Os computadores e notebooks!

Quer saber um pouquinho mais sobre os novos formatos de educar, de acordo com os níveis de ensino? Aí vão eles…

Na Educação Infantil

Um dia sem aprendizagem para quem está começando a se desenvolver é algo muito arriscado. Por esse motivo, os professores dessa etapa de ensino estão se esforçando ao máximo para levar as experiências da sala de aula para a casa das crianças.

De segunda a sexta-feira, os docentes estimulam os alunos a adquirir novos conhecimentos por meio da realização de exercícios de oralidade e coordenação e de atividades supervisionadas, para serem executadas com o suporte dos pais.

Os vídeos também ganharam lugar de destaque no planejamento dos professores de Educação Infantil. Sabe por quê? Para que eles possam manter o contato afetivo com seus alunos. Legal, não?

No Ensino Fundamental

Videoaulas, experiências, atividades e avaliações. Para o Ensino Fundamental, o processo de dar aulas à distância é um pouco mais simples. Afinal, essa etapa de ensino permite que os professores inovem bastante em seu repertório de atividades.

Os docentes não estão poupando ideias para manter seus alunos ligados. As paredes da sala de TV, por exemplo, na casa desses professores, já ganharam novas decorações. Elas têm cartazes colados, conteúdos projetados e muito mais.

No Ensino Médio

Os alunos da 1ª, 2° e 3ª série do Ensino Médio não podem perder o foco (o vestibular), e os professores dessa etapa de ensino sabem muito bem disso. Diante dessa situação, surgiram novos formatos de educar, dentre eles, têm se destacado os seguintes:

– Videoaulas temáticas, com professores e alunos fantasiados: os temas propostos podem estar relacionados ao conteúdo que será ensinado na aula. Atividades como essa geram interesse;

– Aulas tira-dúvidas: para realização de exercícios com o suporte do professor;

– Aula filme: para que os alunos possam conhecer um pouco mais sobre o tema de estudo de uma forma mais lúdica.

Na Graduação e Pós-Graduação

O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) é a nova rede social dos professores da Educação Superior. Nessa plataforma, eles podem publicar vídeos, criar fóruns, lançar atividades de fixação ou avaliações e muito mais.

Alguns professores criaram seu próprio canal no YouTube, para publicar conteúdos fresquinhos para seus alunos e realizar as famosas lives.

Na Universidade Positivo, por exemplo, os professores do curso de Jogos Digitais foram além, criando um canal para dar orientações para outros docentes, principalmente para aqueles que precisam de uma mãozinha para entender as ferramentas que podem ser utilizadas para criar aulas remotas. Interessante, não? Vale a pena dar uma espiadinha!

E aí, gostou dos novos formatos de educar? Se você pensa em investir na carreira de professora, vale a pena ir se familiarizando com as ideias apresentadas acima. Afinal, o mundo está cada vez mais digital.

Categorias
#UPfazendoacontecer

Coronavírus: o que posso fazer para reforçar minha imunidade?

O que você tem feito para fortalecer sua imunidade durante esta quarentena? Os cuidados com a alimentação sempre foram muito importantes para a manutenção da saúde e do bem-estar, mas vamos combinar: em tempos de coronavírus, a preocupação com essa temática ganhou ainda mais peso.

Quer sabe o porquê? Nós vamos te contar!

O consumo de alimentos ricos em nutrientes é o segredo para manter o corpo e a mente saudáveis. Diariamente, o organismo humano precisa receber vitaminas e minerais para manter seu funcionamento e, de quebra, evitar outros temidos problemas, como: insônia, estresse, ansiedade, pressão alta e depressão.

De acordo com a Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), uma alimentação saudável é primordial para o controle da imunidade, assim como as boas condutas de higienização dos alimentos.

As pessoas precisam estar cientes da importância das rotinas nutricionais. Uma alimentação completamente desregulada e fora do que é visto como saudável pode comprometer, e muito, o desempenho de um indivíduo.

Quer manter sua mente e seu corpo em dia, para realizar as atividades de casa, da escola, da faculdade e do trabalho com muita maestria?

Então, você precisa conhecer o Guia de cuidados nutricionais contra o Covid-19, um material desenvolvido por Thais Millena Lachovistz, estagiária de Nutrição Clínica da Universidade Positivo, e Tatiane Bonde e Telma Gebara, supervisoras da área. Nele, você terá acesso a diversas informações sobre alimentação e higiene durante a pandemia.


Quer receber mais dicas relacionadas à imunidade? Fique de olho nas próximas publicações do Faz Aí!

Leia também: Como organizar a rotina estudando on-line?

Categorias
#UPfazendoacontecer

Iniciativas de apoio social: por que agora é hora de agir?

Passar pela quarentena não está sendo fácil. Esse momento de distanciamento representa grandes desafios, tanto para nossa saúde mental, quanto para nossa rotina e vida acadêmica.

Diante desse cenário, ao longo dos últimos dias, diversas iniciativas de apoio social começaram a surgir, algumas por parte das grandes marcas, outras por parte de pequenos grupos, como estudantes, microempreendedores e trabalhadores autônomos. No exercício dessas ações, as pessoas buscam empregar suas habilidades e seus conhecimentos em prol da comunidade e do bem comum.

Algumas iniciativas de apoio social nasceram com o intuito de minimizar os impactos do novo coronavírus, seja produzindo máscaras e doando suprimentos médicos, seja realizando atividades de assistência, principalmente aquelas relacionadas ao fornecimento de alimentos e roupas e à orientação financeira.

Vale ressaltar, também, que existem pessoas preocupadas com a execução de ações voltadas para a prestação de serviços, como é o caso do Projeto Agir, um plano conduzido por um grupo de alunos e professores do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Positivo.

Ao longo deste período de quarentena, os estudantes membros da agência experimental do curso, também conhecida como Practice, estão concedendo suporte aos pequenos empreendedores de Curitiba, auxiliando na comunicação da empresa via redes sociais, desenvolvendo publicações e peças gráficas semanalmente. Legal, não?

Para que as empresas possam fazer parte desse projeto, é muito simples: basta entrar em contato via e-mail (practice@up.edu.br) e enviar uma pequena apresentação sobre a organização que será cadastrada.

E você, o que tem feito para ajudar durante a quarentena? Está participando de iniciativas de apoio social? Conta aí!

Leia também: Home office: 5 dicas para manter o ritmo (e a sanidade mental)

Categorias
#UPfazendoacontecer

A ansiedade bateu. E agora?

Está se sentindo ansioso nos últimos dias? A redação do FAZ AÍ pediu para o professor Gilberto Gaertner, do curso de Psicologia da Universidade Positivo, algumas dicas para manter a calma, mesmo em meio ao caos.

AFINAL, O QUE É A ANSIEDADE?

Segundo Gilberto, a ansiedade é um estado de humor marcado pela preocupação, tensão muscular e aceleração da respiração e do ritmo cardíaco. O que acontece é que a pessoa, em meio a uma crise, antecipa uma ameaça que pode ser real ou apenas imaginária.

QUEM PODE TER ANSIEDADE?

Ninguém está imune. A ansiedade é algo que todo mundo sente de vez em quando. A resposta de uma entrevista de emprego, o resultado de uma prova ou o primeiro encontro com o crush. Esse tipo de ansiedade costuma ser passageiro, e sabemos exatamente o que o causa, mas é preciso estar atento ao tempo de duração desse sentimento.

Quando uma pessoa sente esse tipo de desconforto por um período mais longo, ou não consegue controlar esse sentimento, podemos dizer que ela sofre de ansiedade crônica, ou seja, um transtorno de ansiedade que pode ser causada por um momento traumático ou estressante na vida da pessoa.

Algumas pessoas lidam melhor com isso, mas outras nem tanto. Isso não quer dizer, de forma alguma, que a pessoa que não consegue controlar a ansiedade é mais fraca que as outras. Existem várias causas para que a ansiedade acabe batendo mais forte em uns, por exemplo: fatores genéticos, histórico familiar ou até mesmo o ambiente onde a pessoa vive.

No momento atual, o mundo todo está passando por um sentimento de ansiedade generalizada. Normal, né? Afinal de contas, ninguém de nós viveu uma pandemia como essa. Estamos todos aprendendo juntos a lidar com esse sentimento.

OK, MAS COMO ALIVIAR OS SINTOMAS DA ANSIEDADE?

O professor Gilberto separou algumas dicas para lidar com a ansiedade enquanto estamos na fase de isolamento social:

  • Estabeleça horários específicos de atividades para manter sua rotina em ordem, mas não esqueça de colocar espaços na agenda para relaxar e se divertir um pouco;
  • Pratique exercícios físicos. Existem vários canais e perfis com atividades gratuitas para fazer em casa;
  • Mantenha contato com sua família, seus amigos e colegas de sala ou de trabalho, mas não esqueça: por meios digitais, ok?
  • Durma bem! Uma boa noite de sono é fundamental para manter a saúde mental em dia.

⚠️ Caso você esteja vivenciando episódios de ansiedade, angústia ou tristeza, saiba que você não está sozinho!

A Universidade Positivo disponibiliza o contato do Centro de Psicologia para orientações e atendimentos on-line pelo e-mail: centrodepsicologia@up.edu.br

Ah, e olha só que legal, o professor Gilberto também fez um vídeo falando mais sobre práticas que você pode exercitar para seu controle emocional.

#UPfazendoacontecer

Leia também:
Estudar em casa: 5 dicas para manter o controle
Experimente ser feliz, mesmo em tempos mais difíceis

Categorias
Dicas

Como organizar a rotina estudando on-line?

Você é organizado, dedicado e disciplinado? Essas três qualidades são muito importantes para o aluno mandar bem nos estudos à distância.

Se você acha que não tem essas qualidades, calma… Não vá concluindo que você não leva jeito pra coisa.

Em primeiro lugar, você precisa estar convencido de que a educação a distância é realmente interessante e vantajosa para o seu momento atual.

Entenda, por exemplo, que ao optar por um curso EAD você tem mais flexibilidade de horários e que, por isso, deve desenvolver disciplina.

O professor Gustavo Gava, filósofo com Mestrado e Doutorado na área de Filosofia da Mente, dá ótimos conselhos pra quem quer se adequar a uma rotina de estudos em casa.

Siga estas dicas, se organize e mande ver!

1 – Escolha o melhor ambiente

Não, sua cama não é o melhor lugar pra estudar. O que é confortável para seu corpo não é necessariamente confortável para seu cérebro.

A partir dos hábitos, o cérebro associa cada ambiente a determinada ação. Ou seja, se você deitar na cama pra estudar, a chance de você ficar sonolento e com preguiça é enorme!

Então, analise sua casa: qual cômodo é o mais adequado pra estudar? É importante que o espaço seja bem ventilado, iluminado, limpo e organizado.

2 – Faça uma lista do que você vai precisar

Caneta, lápis, borracha, marca-texto, calculadora, bloco de notas, livros… Seja lá o que você vai precisar, coloque tudo em uma liste e providencie todos os itens.

Isso parece meio bobo, né? Mas é essencial para que seus estudos não sejam eventualmente interrompidos: “ah, meu estojo ficou lá no quarto!”.

Você pode também fazer check lists semanais. Toda segunda-feira, por exemplo, liste os itens (incluindo textos e conteúdos) que vão ser usados naquela semana.

3 – Estabeleça um horário fixo

“O relógio biológico também funciona para os estudos”, diz o professor Gava. Reconheça em qual momento do dia você se sente mais disposto pra assimilar informações.

Veja se é possível inserir os estudos nesse período. Importantíssimo: não confunda disciplina com tortura ou algo parecido.

Seja flexível e, em especial, saiba que imprevistos acontecem. Para que eles não prejudiquem seus estudos, determine outras duas possibilidades de horário ao longo dia.

E agora? Você acha possível estudar a distância? Essas dicas vão te ajudar a ter as características de um aluno EAD: organização, dedicação e disciplina.

Acompanhe o Faz Aí e saiba tudo sobre educação a distância. Se quiser, dê uma olhada também nos cursos EAD da Universidade Positivo!

Categorias
Dicas

10 mitos e verdades sobre EAD – parte 2

10 mitos e verdades sobre EAD – parte 2

O que é mito e o que é verdade sobre Educação à Distância?

Esta é a segunda parte de um material que preparamos para esclarecer todas as suas dúvidas sobre a modalidade EAD, que ainda gera descrença no Brasil.

Preste atenção ao que diz o diretor da Associação Brasileira de Ensino a Distância (Abed) e pró-reitor da Universidade Positivo, Carlos Longo, para ficar por dentro de tudo.

Leia também a parte 1 desta matéria

1 – Profissionais formados em cursos de EAD são menos valorizados

Mito. O mercado de trabalho valoriza muito o profissional que opta pela EAD. Afinal, a modalidade exige dos estudantes as mesmas habilidades que as empresas buscam: autonomia, capacidade de organização e comprometimento com prazos. O diploma de cursos EAD e presenciais não possuem distinção, assim como a remuneração do profissional no mercado.

2 – Não existe interação social nos cursos à distância

Mito. Estudos mostram que a interação e troca social dos alunos na modalidade EAD é maior que nos cursos presenciais. Alunos de Educação à Distância de qualidade têm à disposição várias ferramentas on-line para interação, como e-mails, fóruns e chats, além de trabalho em grupo e interação presencial nos polos.

3 – EAD não funciona para cursos práticos

Verdade. Alguns cursos (Engenharia e Educação Física, por exemplo) exigem o uso de laboratórios e aulas demonstrativas. Para esses casos, os cursos semipresenciais são a melhor opção. Essa modalidade une o que tem de melhor na EAD e na educação presencial.

4 – As provas são feitas pela internet

Mito. De modo geral, as avaliações são aplicadas presencialmente no polo, com a presença de professores. Mas também existem testes e exercícios avaliativos que são feitos on-line. De qualquer forma, a legislação brasileira obriga que a avaliação presencial tenha um peso maior que as avaliações via internet.

5 – O ensino à distância ameaça o emprego do professor

Mito. O professor é essencial para verificar, mesmo à distância, o aprendizado do aluno. O computador não vai substituí-lo. O professor de EAD consegue até acompanhar melhor o desempenho dos alunos, por meio de fóruns de discussão e testes on-line.

Agora, você não tem desculpa para dizer que não entende de EAD, hein? Se quiser aprofundar ainda mais esse conhecimento, acompanhe as publicações do Faz Aí.

Aproveite para conhecer também os cursos de EAD da Universidade Positivo!